segunda-feira, 22 de março de 2010

Se chorei ou se sorri...



No primeiro computador que tive e em que ainda usava o windows 2000, resolvi fazer um backup. 
Hoje arrumando umas coisas de trabalho encontrei o Cd -Rom deste backup.
Tive então um revival de grandes emoções, pois é um retrocesso dos seis mais fortes anos da minha vida.
Em alguns mails e fotos ri que doeu a barriga, outros de despedida e o vídeo do nascimento do Gu chorei feito boba.
 Lágrimas grossas que rolaram e que eu não queria enxugar.
Foi vantagem estar em casa sozinha. Não é adequado os outros (principalmente seu filho de três anos) verem você numa labilidade emocional movida pela nostalgia.
Momentos que pude avaliar melhor agora, depois de anos do ocorrido e já sem a emoção do momento.
Coisas que me fizeram ter raiva passaram a ter um teor cômico tanto tempo depois. E vice versa.
A verdade é que confirmei que não acredito mais no amor, afinal quem teve um amor tão profundo e correspondido(?) como eu, merece ter essa emoção só uma vez na vida. E acho que nem aguentaria se fossem mais que isto.


Uma pequena prova do que estou falando:




"Beijo na alma, sorria com a alma qdo terminar este mail, sorria lembrando que nós tivemos a chance de nos encontrar e viver o que vivemos... sorria com a alma, eu estou sorrindo com a minha....
Bjo."

2 comentários:

Kamyla disse...

Ai Paula, até eu me emocionei... essas encaradas de frente com a nostalgia é que nos arranca uma avalanche de emoções... e o melhor é estar sozinha mesmo... mais uma coisa que somos parecidas!!!!Em outra vida fomos gêmeas, com certeza!!!!!
Bjossssssssssssss

Paula Aragão disse...

É mesmo!!!
Tanta afinidade só pode ser justificada assim...
Bjooooooo