sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Amanhã vai ser outro dia!!!

Se no Natal sofro de um sentimento nostálgico incômodo, seis dias depois, na festa de reveillon, esta questão muda radicalmente!
Simplesmente AMO a festa de Ano Novo. Não importa onde esteja, eu sempre faço meus votos de melhora, sempre agradeço olhando pro céu, sempre peço, sempre rezo e sempre derramo umas lágrimas escondidas.
Me fascinam os fogos, a crença das pessoas, os rituais.

Mesmo com tantas pessoas me lembrando que é só uma data, que é só uma noite como outra qualquer...

Bolas, eu sei!
Mas, dah licença, deixa eu sonhar nem que seja uma noite.
Deixa eu pensar que amanhã será mesmo outro dia, que os inimigos se abraçarão, que as guerras e as drogas se evaporarão, que sobrarão empregos e sorrisos. Estas coisas bem bobocas que é bom de pensar a cada ano.

Adoro também o dia primeiro  de janeiro com todo mundo com 'aquela cara' de esperança. Aquela sensação que só vai se esmiuçando por volta do meio do mês, quando comprovamos, incrédulos, que nossos algozes continuam lá e que continuamos também, um pouco, ou muito, algozes de alguém.

Bom, só a sensação de renovação me basta!

Dia desses soltei um grito pela casa:

- 2011 será um ano de vitórias!

Ao que a babá do Gustavo (que já se tornou membro da família) retrucou:

-Você falou isso também ano passado, D. Paula.

-Ai foi? kkkkkkkkkkkkkk...

Não, eu não canso de sonhar!!
2011 será com certeza um ano de uma guinada espetacular na minha vida! Eu creio, eu sei e espero. E que seja na sua também!!!
Um ano Novo de muita paz para meus leitores, os anônimos também!




PS- E para uma pessoa que está meio down este fim de ano: Sua presença no mundo, com inteligência, perseverança e perspicácia, por si só é um acontecimento louvável! Confio em cada pedaço das suas virtudes, os defeitos eu apago-os todos, eles se subpõem em relação às qualidades!! Um 2011 abençoado pra você!!!

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Sobre vícios

Era noite, era inverno, estava frio.
Ela caminhava olhando para o salto com receio de estragá-lo em uma poça de lama. De repente alguém cruzou o seu caminho e era um vulto familiar, com cheiro inebriante (ao menos pra ela).
E era ele!
A esta altura do campeonato desde que ele havia a deixado, ela tinha ido em três cartomantes, fumado cinco carteiras de cigarro por dia (pouco? Mas ela não fuma!), ingerido cinco caixas de BIS escuro e feito promessa pros santos existentes no calendário.
Ela não sabia agora se era devido aos pedidos ou às barganhas com as divindades, mas era ele ali na sua frente e isso por si só era um presente Divino.

 Ele tinha este poder estarrecedor sobre ela. A fazia ter náuseas, a esquecer de respirar, a chupar a barriga até quase encostar na espinha, a ser ela mesma, falando besteira, sorrindo pro vento.

Era ele sim e ponto final. Ele  dispensava as explicações. Qualquer explicação ficaria aquém das sensações que conseguia provocar nela, desde dor até pigarro.
E ela queria sorver cada detalhe. Queria embriagar-se de cada mínimo detalhe que compunham o todo. Queria sentir, cheirar, respirar até esgotar tudo o que tinha dentro, toda a vida de sentimentos.
Esgotar, ver, justificar, desejar... Todos os verbos e advérbios nominais cabiam nas sensações, nas mãos entrelaçadas, nos lábios encostados, nos fluidos trocados .
Era bem mais que vontade, era bem mais que amor. 
Era uma sorte, era uma safra de morangos suculentos (se precisasse comparar).
Era tudo junto, era misturado. Era riso, era chôro, era alegria e era dor.

Era e seria quantas vezes mais fosse preciso.

Depois de tudo a sensação de embriaguez, a sensação do mundo girar ao redor. Como se os processos divinos/ meteorológicos/ materiais fossem comungados diante de cada arroubo de felicidade destinado à ela, unica e exclusivamente.

Saiu de lá e foi pra uma clínica de reabilitação:
-Em que posso ajudar? - Indagou a recepcionista.
-Aqui ajudam a desintoxicar de um vício?- Ela perguntou envergonhada.
-Sim, mas a pessoa tem que querer, se não o tratamento não funciona.

Ela bateu os pés em debandada e antes de chegar à porta deu novamente meia volta.
 Dizem que morreu assim, coitada, sem saber se queria ou não livrar-se do vício de tê-lo.

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Paradoxo

Quando acontecem coisas muito boas comigo, daquelas que parece mágica de tão perfeitas, eu guardo num cantinho da memória bem escondido.
Mesmo com um sorriso nos lábios prefiro não comentar e nem lembrar dos detalhes. Como uma forma de guardar. Como se eu quisesse evitar o desgaste da sensação.
Assim guardadinho, o momento, fico sorvendo detalhes pequenos durante o tempo seguinte. Como se durante os próximos meses, estas pequenas lembranças fossem, e são, suficientes pra envolver minha vida de um sabor que só 'os ricos e medicados' (créditos: Tati Bernardi) podem sentir.



Já com as dificuldades faço diferente, falo, remexo, trago à tona. Como uma forma de encontrar uma saída.
Sou capaz até de dividir com o pessoal da fila na padaria (exagero!rs).
Engulo a vergonha que só os dissabores nos dão (pelo menos pra mim) e saio dividindo angústias. Dizem que ajuda, e ajuda mesmo! Consigo até ver de forma mais clara. Quem está fora não vê melhor? Sendo assim não dispenso o usufruto da situação. 


 Neste dezembro estranho, estou num paradoxo de sensações. Minha alma se divide entre agradecer as sensações divinas (presente dos céus) e chafurdar na dor pelos acontecimentos da 'Torre'.
É como se eu estivesse afogada, em um mar de angústia e maus presságios, e em segundos uma mão emergisse meu nariz pra respirar.


Já diziam os velhos sábios das mesas de Poker: sorte no jogo azar no amor, ou seria o contrário?
Mas, se for pra escolher que seja assim: Só um mesinho basta!

domingo, 12 de dezembro de 2010

“A vida não tece apenas uma teia de perdas mas nos proporciona uma sucessão de ganhos.
O equilíbrio da balança depende muito do que soubermos e quisermos enxergar.” 

                                                          LYA LUFT

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Abstração

É fácil abstrair:


Um Lexotan 6mg;
Um pacote de BIS;
Uma massagem nos pés e outra na alma;
Um Ocadil;
Telefone desligado;
Um pote de doce de leite com Ameixa;
Um café extra-forte;
Rir com o filho;
Meia hora no chuveiro;
Acender uma vela de sete dias pra cada Santo que há (sem esquecer os que estão em processo de canonização);
Fazer promessa pra Sta. Terezinha...


Tenho convicção que saio ilesa deste dezembro cheio de surpresas sem-graça!

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Então é Natal...

Há o Natal... Sempre adorei o Natal, mas como falei no outro post, este ano ficarei trabalhando. Fiz questão de estar 'sozinha', por mais que esteja rodeada de pessoas que eu amo: meus colegas de trabalho.

 No passado meu natal sempre foi mágico! Minha mãe vestia sempre um vestido novo, de princesa, em mim. Ia uma mulher fazer meu cabelo e o dela (que me fazia sentir a menina mais linda do mundo, pelo menos era o que meu pai dizia.rs) e a partir das 20:00 chegavam os parentes e aderentes!
Uma maravilha!
Natal de fartura o da minha infância! O pisca-pisca de luzes enormes ficava em uma roseira no jardim. Na sala ficava a árvore com as bolinhas traiçoeiras, daquelas de vidro, bem diferente do que se tem hoje em dia, um perigo pra criançada, chegar perto dela equivalia a um grito desesperado de um adulto (pq adulto pensa que toda criança é  retardada?Será que eles pensavam que iriamos abraçar a árvore, ou jogar as lâmpadas nos convidados? dããã...). A mesa era um negócio do outro mundo, minha mãe fazia questão de fazer tudo em casa, e confesso que até hoje não vi um sabor tão especial quanto o da comida dela na época do Natal. Do meu lado, eu tentava ao máximo ficar acordada até a missa do Galo, em vão, nunca matei minha curiosidade de saber se tinha um galo apresentando-a. Meus irmãos contavam histórias mirabolantes no dia seguinte e por mais que eu desconfiasse que eles mentiam, só poderia tentar confirmar no ano seguinte. 
Foram mais ou menos uns doze anos de felicidade, até meu avô paterno falecer e começarem as discussões sobre herança (uma lástima quando envolve muito dinheiro) e o Natal que era na minha casa, passou a ser na casa de algum tio ou primo, com menos da metade das pessoas do passado.
Depois todo mundo foi crescendo e o Natal passou a ser na casa de namorados, namoradas(dos meus irmãos), amigos...Teve natal que eu passei em oito casas diferentes. 

Talvez nunca mais tenha aquela sensação da infância, de felicidade suprema. Pra falar a verdade me embrulha o estômago ouvir a Simone cantando: 'então é natal e o que vc fez?'...

Com os dissabores, muita gente, como minha mãe, ficou desgostosa do Natal, e eu passei a sessão nostalgica mais traumatizante da minha existência (pelo segundo ano consecutivo, pelo menos). Até a árvore de Natal que ano passado enfeitou minha casa em Ipu, este ano dei de presente à minha manicure. 

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Rotina de um plantão SN

Vou contar pra vocês um pouquinho da minha rotina quando em um plantão noturno.
 Este foi 24/25 de novembro de 2010.

Recebo o plantão exatas 19:00 da minha amiga Edmara, no momento deste uma reportagem sobre a saúde no nosso município faz correr pra 'meu' repouso o médico, ela e eu.

Às 19:15 as pessoas que estão esperando atendimento começam a reclamar e eu tento buscar no fundo da memória, quando que (com plano de saúde) eu fui atendida quinze minutos após chegar ao hospital. 'Escavo' e certifico-me: NUNCA!!! Mas, dou um sorriso tranquilizador e penso que o ser humano é assim mesmo.
Quando meu colega atende todo mundo (dezenove pessoas no total), me fala que apenas uma era realmente preocupante, as outras pessoas: pedidos de exames, receita controlada, mostrar exames, etc...

Às 24:00 chega um homem grande, tatuagem idem no braço esquerdo e um diagnóstico: colecistite. Preencho a papelada burocrática e faço questão de puncionar o acesso venoso (pra não perder a prática, comento com minha técnica);

Às 01:30 batidas fortes na minha porta e no repouso médico, que fica 'colado' ao meu, me fazem dar um salto da cama.
Saímos no mesmo instante e ambos já nos rendemos aos pijamas hospitalares, daqueles que engordam pessoas magras e fazem triplicar a gordura das gordas, mas de confortabilidade indescritível! Estamos, os três: médico, enfermeira e auxiliar simplesmente horríveis!!!
De longe ouvimos:
-'Eu era um bêbado, com o estômago furado...'
Inevitável não soltar uma gargalhada!

Eu abordo primeiro:
-Qual o motivo da consultar Sr.?
-É que minha veias estão todas grudadas no pescoço!

Depois disso todos os outros atendimentos foram cafés pequenos!
Ao final uma uníssona conclusão:  'A gente sofre, mas se diverte.'

terça-feira, 23 de novembro de 2010

De tanto ver triunfar as nulidades...

Hoje tivemos (meus colegas e eu) um impasse no trabalho. Explico:
Uma colega se mostrava indignada com a prisão de uma amiga (dela) com o marido e mais dez pessoas. O motivo? Crime na internet: eles roubavam senhas e faziam transferências ilegais pra suas próprias contas.
Das quatro pessoas na sala, apenas eu, era a favor da prisão.
Tentava explicar, em vão, que o crime não compensa, que não eram os policiais os vilões da história, que isso, que aquilo....
Acreditem, mas só deram o braço a torcer quando falei de índole, caráter, valores. Eles, obrigatoriamente tiveram que ceder. Quem vai admitir que não tem caráter? Nem um louco o faria!
A minha indignação diante da polêmica era tanta que me revoltei quando um deles defendeu roubos à bancos, à instituições do governo, etc. Nesta hora tive que apelar falando nos pais de famílias que lá trabalham, que o dinheiro do governo É NOSSO, etc, etc...

Gente, eu realmente fiquei decepcionada! Ao ponto de horas depois as pessoas presentes no diálogo virem se desculpar.
Sinceramente, eis a resposta para quando os cidadãos se decepcionam com a violência:
Até que ponto, nós, ditos cidadãos, somos coniventes com crimes só pelo fato de ser 'alguém conhecido', 'ser contra os ricos', 'ser contra o governo'?
Eu peço SOCORRO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto".
Rui Barbosa


sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Ingrid Betancourt


Não há silêncio que não termine

Magnifico!

Não existe outro adjetivo para falar do livro e da pessoa desta mulher!
Me senti envergonhada pelas vezes que fui chamada de 'mulher forte'. Minha referência hoje em dia de fortaleza é esta mulher.
O livro é tão bacana, que simplesmente eu viajava para Amazônia e vivia, durante a leitura, num acampamento das FARC (toc-toc). Me emocionei, e sofri com ela as dores e os horrores impostos por este grupo. Fiquei feliz com a sua libertação, com a fulga do Pinchal...
Bom, melhor vcs irem verificar com os próprios olhos!
Recomendo demasssss!!!!

sábado, 30 de outubro de 2010

Ipu - Fortaleza

Viajar sozinha tem suas vantagens, e depois que esta situação virou uma quase rotina, tento procurar coisas para não enlouquecer de tanto estresse e medo: de assalto, de acidente, etc... (toc toc... bato vinte vezes na madeira)
A verdade é que até passei a gostar desses momentos sozinha.

Nestas três horas dá para divagar entre muitas coisas: como minha vida atual, na vida do Gustavo com todas as alegrias e preocupações, no salário, nas contas, compromissos...Na recente história de sinhá Pureza e Sr. Ternura, dah para ensaiar conselhos pros dois, dah pra...Bom tanta coisa...
É um tempo em que coloco a razão para fazer umas reclamações com a emoção. (Mesmo que ultimamente eu tenha me tornado um poço de gelo, ainda ando fazendo umas burradas.)
Dah para idealizar, planejar, raciocinar, sonhar, conjecturar, divagar; Tanto que quando menos espero um carro tasca uma buzinada no meu rab_(desculpe o palavrão, sou desbocada mesmo!) que só assim me toco que já estou no trânsito de Fortaleza e tenho que acelerar!

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Rendição

Eu sou uma amiga muito FDP.
Eu não considero meus amigos do tanto que eles o fazem comigo: eu esqueço de ligar, eu prometo de sair e não cumpro...
E isto me afeta um bocado quando eu penso em tudo de bom que recebi sem ter que oferecer nada em troca... talvez algumas tiradas e risadas...Mas, hoje em dia eu não ando fazendo nem isto!

Me dói no coração lembrar de todas as vezes que a Cinara ficou comigo ao telefone atéh altas madrugadas e hoje a gente se falar quase que só por MSN (Ainda bem que existe!);
Também não gosto de lembrar que nunca retribuí o que a Iáskara fez me buscando de madrugada pra passar 15 dias em sua casa no começo da gravidez (eu tive um problemão de descolamento de placenta) e não me deixou levantar da cama. Parecia uma leide, com tudo servido de bandeja;
E da vez que o Welter, em pleno casamento da Tarcy, discutiu pelo meu direito de passar a frente na fila?
O André, que sem a menor vergonha, me levava pro cinema, praia, mesmo eu com um barrigão enorme!
Tem a Sumara que me ligava toda hora que via uma proposta bacana de emprego e graças à ela fui muito bem sucedida em alguns anos por Fortaleza;
E Paty, que sempre que sabe que estou em Fortaleza me interpela via mail: 'Kd tuh cunhã?'...kkkkk...Adoro!!!!
A Dany, que foi a força; 
A Taty, aLílian, Sabrina, a Bel que me emprestou o lindo salão de festas da casa dela e ainda ficou horas baixando músicas dos anos 80 na net por dois dias initerruptos, cds estes que ainda hoje o Gustavo adora!
O Daniel Mota e a família linda dele que sempre me apoiaram, que foram meus companheiros e chamam o Gu de neto deles (Lindo!!amo!!!)...etc, etc, etc...Tantos 'eteceteras' que não cabem nesta mente tosca, neste momento...

Recente: o Ulisses, meu colega psicólogo, que foi embora em julho aqui de Ipu!!Que sacana que eu sou! Cada vez que ele liga nunca tenho umas horas pra jogar papo fora e falar com meu amigo...

Muitas vezes esta falta de tempo, este cansaço constante, esta vontade de reclusão, me faz pensar que estou sendo negligente com meus amigos, e aqui é além de um sincero pedido de desculpas, uma forma de homenageá-los.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Blogosfera

Estava lendo neste mar digital e me deparei com um questionamento bem interessante:

-Qual foi a decisão que te levou para o rumo que sua vida está hoje? Em que momento ela virou e te trouxe pro agora?

Profundo, não?

Enquanto milhares de pessoas contavam suas histórias de amor, eu só conseguia pensar na freada brusca que a vida me deu para que eu parasse de sonhar e passasse a realizar!
Tenho atéh um texto da Martha que fala bem isso; diz mais ou menos assim: 'Eu bati em um muro de concreto à mais de 200km por hora'.


Eu era uma menina bem criada que conhecia pessoas que consideravam: sua família, seus valores, sua família, sua essência, sua família, seu caráter...
Eu parei de pensar em vida perfeita, eu parei de sonhar. Eu chorei sentada no chão do meu banheiro noites à fio para endurecer, para amadurecer, para conquistar.
Não conquistas amorosas!
No curso que a minha vida tomou eu passei a sentir o valor das coisas materiais (Felizmente, por um lado). Eu estava grávida e não tinha nada, nem onde cair morta.rs
Tinha (Tenho) um pai com recursos financeiros legais, mas seria justo, depois de toda minha criação, depois de tantos colégios e faculdades caras ainda tê-lo como tutor?
Tinha um irmão bem sucedido (Tenho), mas seria justo ele pagar pelos meus erros e derrotas?
Em menos de seis meses me formei e trilhei um caminho de sucesso profissional que pessoas levam anos. Ganhei o dinheiro que minha mãe nunca recebeu em renda mensal, e investi tudo em meu filho.


Foi lá que em uma sala quente da Unifor, eu fui deixada grávida e sozinha. Com um simples pedido de desculpa. Foi lá que eu me tornei a super Paula e deixei de precisar de proteção. A partir dali eu passei a proteger. Foi lá que minha vida deu uma 'guinada' e me levou pro ramo dos investimentos ( segredo de projetos.rs). Foi lá que eu aprendi a magoar, com atos, palavras e omissões as pessoas que não julgo do bem. foi lá que aprendi a ter boca suja, a falar bastante palavrão no trânsito.

Foi a partir de lá que eu passei a, mais do que nunca, trabalhar o valor do perdão. (Vai, Sarah Palim.rs!)
Naquela sala eu me perdi do meu eu, mas encontrei uma Paula forte, mais prudente, de quem me orgulho bastante (e outras pessoas também.rs), mas não deixo de ter saudade daquela Paula doce e de coração mole, vez em muito, quando dizem que eu sou ruim como o cão, me lembro dela e de todos os adjetivos e superlativos de bondade que ela levava. Ela, a Paula dos vinte anos, foi criada pela avó paterna para ser uma princesa! Desculpa, vovó Mariêta, mas não agora, não nesta vida! Agora eu tenho um filho lindo para transformar em campeão.



'Quando você conhece alguém,
lembre-se que é um encontro sagrado.
Ao tratar bem dos outros, você estará tratando bem de si.
Ao pensar neles, você está pensando em si.
Nunca se esqueça disso,
pois neles você encontrará ou perderá seu Eu.'

domingo, 10 de outubro de 2010

Selos

Faz algum tempo que os recebi e estava devendo uma postagem pra falar deles.
O fato é que recebi dois selos, os primeiros de muitos (rsrsrs), um da minha amiga linda Kamyla do blog Nunca estive tão longe e tão perto e um da Nanna do blog Menina Bezerra .

Fiquei toda feliz! Por ser leonina nata, toda forma de reconhecimento, qualquer gesto, qualquer mimo, me faz extremamente feliz!

Ao recebê-los fui incubida de dois feitos:

1- Dizer sete coisas ao meu respeito:

-Minha forma de ver a vida e as pessoas mudou radicalmente no ano de 2006;
-Sou extremamente prática  e resolvida, detesto lenga-lenga; Faço a linha do 'se quer bem feito faça vc mesmo';
-Sou imediatista, quero as coisas pra ontem, confirmando assim o que falei anteriormente;
-A todo custo faço com que o Gustavo seja um cara de boa índole, o resto vem intrínseco;
-Já fui da noite, hoje eu gosto de paz. Pouquíssima coisa, hoje em dia, me faz ficar acordada à noite;
-São duas fases, duas Paulas, uma ficou no passado, a que sonhava, a que acreditava...hoje tenho os pés fincados no chão e já não acredito em milagres;
-Pra finalizar, adoro fazer amigos, chega aí, se apresenta que esta blogosfera tem isto de essencial!


2- Passar os selos à sete blogs.

Esta tarefa é mais difícil, pois sei que muitos blogueiros não aderiram à esta idéia dos selos, com cuidado vou passar pra Dany da 'Bruguelo' e pra Má do 'Ela é só uma menina', simplesmente pelo fato de que são minhas amigas de muito tempo e se elas não gostarem dos selos não será este o fato que destruirá nossos laços!rs


Bom domingo!!!

sábado, 9 de outubro de 2010

Fazendo Jus...

Quando estou em Fortaleza, não deixo de saber todas as dicas de programação para crianças que a minha amiga Dany posta quase que diariamente no blog dela (Bruguelo).





Um barato esse blog e não é porquê é de uma amiga querida e de longa data, não! É porquê é cheio de dicas interessantes para a criançada e antes dele existir (O Gustavo nasceu antes do Gui ) eu sofri muito procurando o que fazer com esse meu bruguelo, e confesso que errei horrores!
Olha quem é mãe em Fortaleza vai amar!

PS- e este post foi todinho só pra agradecer a Dany por ser esta mãezona linda e compartilhar com a gente o que ela faz com seu bruguelo lindo!!!

Enquanto isso...

Na terra que meu irmão adotou:

E descumpra a ordem de um Pernambucano pra vc ver!
kkkkkkkkkkkkkkkk...

domingo, 3 de outubro de 2010

All Night Long...

É tudo questão de 'hermenêutica'!
É tudo uma questão de averiguação.
É um teste, é uma lição.
Antes do começo, eu sabia que seria.
Sanidade colocada à prova, promessas colocadas à prova.
E eu, que não sou boba, nem nada, vou passar com nota quase máxima.
Depois dos trinta: o que a razão promete, eu cumpro!

E cumpra-se!!!!

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Pequeno , mas indispensável, manual de sobrevivência.

1- Não seja bonita, aliás nem sequer pareça bonita, nem de longe, nem de lado, nem de costas;

2-Não seja inteligente, e se o for: faça comentários bem bobocas/burros, para que ninguém sinta  o cargo ameaçado quando te descobrirem;

3-Não seja feliz, ao menos não na frente dos outros. Deixe pra sorrir e cantar no seu banheiro, com o chuveiro ligado que é para os vizinhos não escutarem;

4- Não reclame, faça as vezes de mulher samambaia, daquelas que precisam de pouca coisa para enfeitarem a sala;

5-De preferência, e sempre que possível, finja-se de morta;


6- Cuide dos seus projetos, suas idéias, mantenha-os à sete chaves; Só os apresente quando tudo já estiver encaminhado, quase ao ponto de serem realizados, e mesmo assim ainda não terás garantia que receberás 'os louros' pelos teu feitos;

7-Pra finalizar, nunca, em hipótese nenhuma, demonstre amizade com pessoas influentes! Seja neutra, praticamente um Ogro. Só assim 'querida' vc poderá (quem sabe) viver em paz...

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Quando chega o final do ano?

Ateh agora eu realmente não havia sentido a falta que um pai faz.
Também não tinha mensurado quão triste é a distância pra uma criança de quase quatro anos. Ele, o Gustavo, não entende que a distância física do pai, é algo necessário, por enquanto.
Meu coração está pequeno porquê me julguei único ser realmente necessário pro meu pequeno.

Como falei, atéh agora, nós nos bastávamos. Nós nos entendíamos. Nós nos completávamos. Mas, começo a sentir e presenciar que esta completude era finita apenas na minha cabeça.
Na dele, do meu pequeno, o pai é mais forte que eu, vai poder defendê-lo, vai poder montar uma pipa, vai jogar bola, vai ter conversas que ele não pode contar pra mim, uma mulher!

É uma situação complicada, pq eu não precisei tanto do papai, como meus irmãos. E não entendo quando discuto algo com meu filho ele sempre citar/referenciar o pai. 
O coraçãozinho dele pulsa forte e repete quase que todos os dias: quando chega o final do ano?

domingo, 26 de setembro de 2010

Eleições 2010

Estamos há apenas uma semana e, sinceramente, já não aguento mais carro de som o tempo todo nas ruas, as 'brigas' de bandeiras, etc...
Fora uns vizinhos que passaram a virar o rosto pq votam em candidatos diferentes dos meus.
 Dahi vcs pensam que eles são íntimos dos tals?
NOOOOOOTTTT! 
É só frescuragem e mentalidade de titica de galinha mesmo...

Tô querendo é que chegue logo o dia e que eu vá cedinho com minha colinha e o Gu à tira-colo votar, e finish: casinha e sossego depois!

Coisa muito boa dessa eleição:
Estava eu linda e morena em comício em Santa Quitéria quando ninguém menos que meu amado Ciro Gomes, se aproxima do meu 'cangotinho' e dispara:
-Há meus dezoito anos!

Claro que um elogio destes pra uma balzaca é TUUUUDOOOOO! Além de que muita gente ouviu, virou comentário por dias, inflou meu ego,etc. Mas só isso! (Infelizmente.rs)

Depois tudo passou, ele voltou pra minha rival linda Patricia Pillar e nem deve lembrar que 'cafungou o cangote' duma nordestina de aparência razoável.
-Amorrrr, precisa disso, não!Eu vou votar no seu irmãozinho (meu cunhado) de grátis!rs

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Fragmentos. (Por aí)

Tem muita coisa bacana na net (Dãããã...Que óbvio!). 
Vez em muito, me deparo com coisas idênticas ao que eu penso, a forma que eu falo, o jeito que faço...


"E eu, claro, compreendi. E ainda agradeci. E ainda me desculpei. "


"Não dá certo ser mulher, adulta, sexualmente ativa, declarar imposto de renda, ter aparência física razoável e não ter ninguém pra chamar de seu."


"Agora é suspirar feito besta, meus celulares e e-mails e o ar voltam a ser objetos de tortura." 


"A vida que ultrapassa a gente só porque esses pequenos momentos de amor nos congelam dando uma falsa sensação de que pode ser bom pra sempre."


"Eu gosto muito quando no meio de uma festa em uma pista de dança, você olha para cima e agradece por todas as coisas boas que aconteceram com você."(Quem escreveu estava  fazendo citação a si mesmo e eu lembrei que faço isto sempre!)


"Gosto de quem ri alto!
Gosto dos deslumbrados!
Gosto dos passionais!
Aquele tipo de gente que tira o sapato para dançar melhor, que sai correndo para comprar mais cerveja no posto, quando a bebida ameaça acabar e enche o prato da visita, para realmente comprovar que a maionese ficou uma delícia."



-Chega de me entregar pelos outros!

Foi um rio que passou em minha vida





Se um dia meu coração for consultado
Para saber se andou errado
Será difícil negar

Meu coração tem mania de amor
Amor não é fácil de achar
A marca dos meus desenganos ficou, ficou
Só um amor pode apagar


Porém (ai, porém)
Há um caso diferente que marcou num breve tempo
Meu coração para sempre
Era dia de carnaval


Carregava uma tristeza
Não pensava em outro amor
Quando alguém que não me lembro anunciou:
Portela! Portela!
O samba trazendo alvorada
Meu coração conquistou

Ai, minha Portela, quando vi você passar
Senti o meu coração apressado
Todo o meu corpo tomado
Minha alegria voltar

Não posso definir aquele azul
Não era do céu; nem era do mar
Foi um rio que passou em minha vida
E meu coração se deixou levar

Qualquer semelhança...




terça-feira, 31 de agosto de 2010




Doente, de cama em casa...
DVD do Lulu Santos quase furando e esta música repetida diversas vezes...



"Eu lhe fiz esta canção
Para lhe pedir perdão
Tenho sido tão vão
Na procura insana
Por gratificação
Pode dar a impressão
Mas de fato não
Eu não faço a menor força
Pra nada disto rimar
Mas eu ando tão fraco
Não queria que você me visse
Tão fraco
Mas na verdade eu não quero lhe enganar"


Cansada...Preciso de férias de mim!

sábado, 28 de agosto de 2010

Amo Caio F.

"Olha, eu sei que o barco tá furado e sei que você também sabe, mas queria te dizer pra não parar de remar, porque te ver remando me dá vontade de não querer parar também.Tá me entendendo?
Eu sei que sim. Eu entro nesse barco, é só me pedir. Nem precisa de jeito certo, só dizer e eu vou.
Faz tempo que quero ingressar nessa viagem, mas pra isso preciso saber se você vai também. Porque sozinha, não vou. Não tem como remar sozinha, eu ficaria girando em torno de mim mesma.
Mas olha, eu só entro nesse barco se você prometer remar também! Eu abandono tudo, história, passado, cicatrizes. Mudo o visual, deixo o cabelo crescer, começo a comer direito, vou todo dia pra academia. Mas você tem que prometer que vai remar também, com vontade! Eu começo a ler sobre política, futebol, ficção científica. Aprendo a pescar, se precisar. Mas você tem que remar também. Eu desisto fácil, você sabe. E talvez essa viagem não dure mais do que alguns minutos, mas eu entro nesse barco, é só me pedir.
Perco o medo de dirigir só pra atravessar o mundo pra te ver todo dia. Mas você tem que me prometer que vai remar junto comigo. Mesmo se esse barco estiver furado eu vou, basta me pedir.
Mas a gente tem que afundar junto e descobrir que é possível nadar junto.
Eu te ensino a nadar, juro! Mas você tem que me prometer que vai tentar, que vai se esforçar, que vai remar enquanto for preciso, enquanto tiver forças!
Você tem que me prometer que essa viagem não vai ser a toa, que vale a pena.
Que por você vale a pena.
Que por nós vale a pena.
Remar.
Re-amar.
Amar."

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Um dia de Socorrista

Aqui na minha terrinha, estamos na semana de festa de aniversário do município e este final de semana foi do Ceará Aventura.
 Alguns enfermeiros foram escalados pra ficarem de socorristas nos locais de salto de Parapente e Asa Delta. Confesso que não fui escalada, pois já estava de plantão no sábado, mas quem disse que eu aguentei a curiosidade e a vontade de estar junto? Como o acesso é ruim pra carro baixo, a ambulância seria ideal, e foi!
Parecia até aquele programa 'O melhor emprego do mundo'.Gente, foi uma das vistas mais lindas que já vi!

Vcs devem se perguntar: 'E ela não mora aí?' Sim, mas nunca que havia chegado tão próximo da chapada.
Só mesmo as fotos pra falarem por mim, aí vão algumas.






quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Covardia

Eu estou trancada em casa...
Eu estou deitada no conforto do meu quarto...
Mais precisamente na minha rede de casal, verde musgo, sol a sol, com varanda de crochê, que ganhei da minha mãe.

Ante mim um portão com chave e cadeado, e uma porta de madeira maciça trabalhada, com placas de vidro.
Eu estou aqui escondida no meu mundinho perfeito...
No mundinho de perfeição que criei pra mim e meu filho...
Eu estou camuflada e com o celular desligado. Enquanto lá fora problemas rugem, gritam, sufocam...
Eu me escondo no meu pseudo-castelo de aluguel caro, enquanto pessoas que eu amo gritam por ajuda.
Eu sorrio, eu faço piadas, eu justifico minha ausência. Mas eu sei que sou cobrada e eu sei que estou errada.
Eu entro em casa feliz com os litros de leite, e nata, e queijo, e ovos que ganhei; enquanto alguém próximo a mim se recusa a alimentar-se.
Porém alguém distante o bastante pra eu evitar tentar persuadir da sua intenção de morte rápida. Alguém que tem um muro de pessoas céticas à conduta que tenho quando vou visitá-la: de trazer alegria, de ver um filme, de levantar da cama, de dar um banho de valor anual. Só eu sei como me doeu ser criticada por tentar ajudar.
Devido à isto eu abandonei a causa, e estou tendo um ato covarde.
Eu tenho que me redimir depois...Em outra vida.
Por enquanto, eu peço desculpa do fundo do coração...Por que agora eu já não consigo sair do meu 'conforto' particular.

Ilusão

Recebi agora um mail intitulado:

Descubra quem bloqueou e excluiu Você do MSN.

Claro que era vírus e eu deletei na hora. Porém, mesmo que não fosse, jamais eu ia querer um recurso destes.
 Prefiro alimentar a ilusão que a vida é bela, que as pessoas me amam e me perdoam se as magoei, se exagerei ou fiz algo inadequado.
 Prefiro ter a sensação de uma vida azul, de viver a reciprocidade...


A realidade de uma relação frustrada e enfatizada numa exclusão num site de relacionamentos não faz parte dos meus planos de racionalidade.
Existem razões que não quero próximas.


Ora, se eu conto a mim mesma, todas as noites, minha história encantada...cheia de gente bonita e feliz.Repleta de amigos que riem das minhas piadas e tiradas e que depois não falem pelas costas que realmente eu sou infeliz...Que esta alegria é na realidade uma camuflagem pra um coração despedaçado

Deixem meu castelo de pedras amarelas intacto e o castelo das pessoas que deletei também.
Deixem-nos acreditando na desculpa esfarrapada dita na gôndola do super-mercado:
-Oi, eu nunca mais tive tempo pro MSN.

terça-feira, 17 de agosto de 2010

E nessa idade...


'Fui vivendo minha vida de maneira tão solitária, 

conquistando minhas coisas tão no braço 

tão sempre sem nada, 

que aprendi a ter uma enorme admiração 
por mim mesmo.'



"E assim, aos poucos, ela se esquece dos socos, pontapés, golpes baixos que a vida lhe deu, lhe dará. 
A moça - que não era Capitu, mas também tem olhos de ressaca - levanta e segue em frente. Não por ser forte, e sim pelo contrário... por saber que é fraca o bastante para não conseguir ter ódio no seu coração, na sua alma, na sua essência.

E ama, sabendo que vai chorar muitas vezes ainda. Afinal, foi chorando que ela, você e todos os outros, vieram ao mundo." 


"...porque já não temos mais idade para, dramaticamente, usarmos palavras grandiloqüentes como "sempre" ou "nunca". Ninguém sabe como, mas aos poucos fomos aprendendo sobre a continuidade da vida, das pessoas e das coisas. Já não tentamos o suicidio nem cometemos gestos tresloucados. Alguns, sim - nós, não. Contidamente, continuamos. E substituimos expressões fatais como "não resistirei" por outras mais mansas, como "sei que vai passar". Esse o nosso jeito de continuar, o mais eficiente e também o mais cômodo, porque não implica em decisões, apenas em paciência..." 


CaiO F.

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

...

Estava ansiosa há dias esperando um mail.
Um mail importantíssimo pra mim, um mail que denotaria reconhecimento... Porém este mail não chegou...ainda...




'Ninguém esta jogando nessa vida com cartas marcadas.
Portanto, as vezes ganhamos, as vezes perdemos.
Não esperem que devolvam algo.
Não esperem que reconheçam seu esforço.
Que descubram seu gênio.
Que entendam seu amor.'

Caio fernando Abreu

Teste

Ana chegou ao trabalho e estava uma nova pessoa sentada no recursos humanos. 
Não sei porque ela olhou pra Ana e mais tarde enviou um questionário pra ser entregue ao final do dia.
Dentre algumas perguntas sobre a personalidade de Ana e algumas que deveriam ser respondidas pela metade, afim de garantir o emprego por no mínimo mais trinta anos, veio uma que tirou Ana de órbita:
-Descreva-me a sensação de ser amada.


Ana encostou mais confortavelmente na cadeira, respirou fundo e lembrou...




De um cheiro que inebria, de uma felicidade que faz chorar, cantar...
De uma sensação de plenitude,
De sexo com amor e beijo com vontade.
Da paz de rir das vicissirtudes, de rir de si mesma...de rir de acidente.
Da certeza do mail, do telefonema...
Da falta de angústia, da falta de insegurança...
Da falta de todo sentimento que não combine com: amor correspondido.
Das borboletas na barriga e de todos os sinos que tocam, dentro, fundo... na alma e no coração...
Da força e da vontade que vem intrínsecas ao amor...


Lembrou de todas estas coisas e respondeu:
-É a sensação igual à de poder voar.!

domingo, 15 de agosto de 2010

Sessão cinema

Este fds com o calorão 'danado' e vontade nenhuma de sair de casa, apenas pra trabalhar (fiquei 16 hs de plantão), curti mais uma sessão cinema.
Lá vai os respectivos 'diagbósticos' dos filmes assistidos, quero ver os coments de vcs!


The Lovely Bones



Gostei bastante. Só ficou devendo um 'castigo' mais enfático ao pedófilo. 
Este tipo de filme aguça nosso sentimento de justiça e neste, ele ficou sem um bom retorno.
Fora esta questão um filme lindo, espírita, emocionante!

Crepúsculo



Não é que me rendi à 'vampirada'!
Confesso que gostei. 
Fiquei sonhando com um Edward, fora que lembrei que no início o Valério era 'desse jeitinho', porém ele não era um vampiro e eu fiquei sem a fidelidade 'Forever' deles...
ai, ai...

Deixe-me viver




Outro filme bacana.
Muito interessante o fato da convivência com diversas famílias irem moldando a personalidade da protagonista.

Charlie, um grande garoto



Pra finalizar a sessão uma comédia 'meia boca'.
Muito bom pra adolescente. Mas, não deixou de me render umas risadas, que foi o que valeu a pena.


Espero que gostem das dicas.

sábado, 7 de agosto de 2010

07/08/2010

Como já tinha falado, hoje começou um novo ciclo na minha vida. 
Hoje é o início do meu ano '9'. 
E até esta mesma data, no ano que vem, minha vida vai ser de balanço, finalização e recomeço.
De relacionamentos, amizades, fiananças, e etc...


""... porque também na minha casa, hoje, nenhuma cadeira continua como estava ontem, pois eu já não sou o mesmo." 
Fiódor Dostoiévski


Hoje foi um dia muito especial, comemorei com amigas queridas almoçando no Lescale e tomando café na Romana (Adoro!).










Mas meu maior presente é sem dúvida meu filho!
Lindo, amado, especial.


Alguém duvida:


Há três anos e meio o boxe do meu banheiro é coberto de brinquedos;
Há três anos e meio ele me assusta com uma aranha que parece de verdade, com um rato que parece de verdade, com uma formiga que é grande demais para ser de verdade...
Há três anos e meio confirmo o diagnóstico que fiz para minha vida: Nunca mais eu seria sozinha!
Há três anos e meio falo e penso com extremo orgulho de uma pessoinha que ilumina meu dia e faz minha vida ter mais sabor!!

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Ontem

Ontem fugi da cidade, 
Ontem me prontifiquei a deixar o Gustavo com os avós paternos o final de semana inteiro,
Ontem mandei o cliché de festas de aniversário às 'cucuias' e quis comemorar sozinha,
Ontem verifiquei que amanhã começo meu ano '9',
Ontem decidi que este aniversário seria para balanço:
Dos últimos anos, dos últimos acontecimentos, dos últimos 'últimos'...


Ontem comprei um vinho do porto e um DVD da SADE para curtir, com no máximo mais uma pessoa. (Muito bem escolhida, claro, rsrsr...) 


Ontem decidi ter um final de semana sozinha, em paz, para compensar os últimos dias de guerra...













Muito bom...

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Mais um programa da séria série dedique uma canção a quem vc ama II

Eu sonhei com você
Eu quero me deitar
Numa tarde assim, namorar
Entre o azul do céu
E o verde do mar
Tanta coisa ainda há...
Amanhã tudo pode acontecer
Hoje a nossa vida é pequena
Amanhã tudo pode anoitecer
Se você vem comigo
Eu não choro mais...
O que eu quero dizer
O teu sorriso atrai
Entre as coisas mais lindas
Você me dá prazer
Você me dá cartaz
E tudo que eu preciso...
Amanhã tudo pode acontecer
Hoje a nossa vida é pequena
Amanhã tudo pode anoitecer
Se você vem comigo
Eu não choro mais...
Cai o azul do céu
Sobre o verde do mar
Tanta coisa ainda há lá
Você me dá prazer
Você me dá cartaz
Se você vem comigo
Eu não choro mais...

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Hipérbole

Talvez ele não venha porquê faltou gasolina e faltou também na cidade,
Talvez seja porquê ele tomou uma medicação pra dormir e perdeu a hora,
aliás perdeu há exatos cinco meses consecutivamente,
Mas, nunca, nunca porque não quis vir...

Talvez ele não venha porque tem medo de se apaixonar,
Porque já sofreu muito,
Ou porque sua mãe é ciumenta,
Mas, nunca mesmo porque não quis estar aqui...

Talvez ele não venha porque uma ponte caiu, a unica que o leva pra fora da cidade,
E junto dela cairam também os fios de todas as linhas telefônicas
E ele está há um mês tentando me ligar,
Mas, nunca, nunca mesmo porque ele esqueceu ou achou coisa melhor pra fazer...

Talvez ele seja jurado pra casar com a prima distante,
Ou pra salvar uma vida, seus pais lhe prometeram pra catequese,
Mas nunca pelo fato dele não estar com vontade de vir...

Talvez ele tenha uma doença terminal,
Talvez seja isso e ele queira que eu esqueça pra me poupar.
E como eu respeito-o desde o dia que o conheci é isso mesmo que eu irei fazer...

Tempo de Travessia

"Há um tempo em que é preciso
abandonar as roupas usadas
Que já tem a forma do nosso corpo
E esquecer os nossos caminhos que
nos levam sempre aos mesmos lugares
É o tempo da travessia
E se não ousarmos fazê-la
Teremos ficado para sempre
À margem de nós mesmos"



(Fernando Pessoa)

quarta-feira, 21 de julho de 2010

"Essa família é muito unida e também muito ouriçada..."

A única coisa boa nesta maré de stresse com a saúde da mulher de pulso mais firme da família Aragão, foi rever gente do 'tempo do ronca'.

Tipo aquela prima que separou e já está no sexto namorado, tipo pra vc pedir o endereço 'da fonte';
Tipo aquela tia que faz amizade com Deus e o mundo na porta do hospital e quando vc vai passando o pessoal te cumprimenta pelo nome e pergunta da tia dodói, tipo pra vc querer esganar essa tia;
Tipo aquele tio que não tem coragem de saber de coisas ruins e só te liga pra vc não ligar pra ele contando coisa alguma, tipo pra vc dizer: 'e quem disse que eu ia ligar?'
Tipo aquele meio primo que se mostra o mais sensato, tipo pra vc agradecer;
Tipo aquela meio tia, mulher do tio que não quer que ligue, que não sabe nada de vc, e numa hora imprópria solta: 'todo espírita morre doido.Allan Kardek, Bezerra de Menezes, todos doidos!' Tipo pra vc rir de pensar na cara dela quando souber que vc É Espírita.


E rir dessas coisas depois de tudo já estar quase certo!