segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Teste

Ana chegou ao trabalho e estava uma nova pessoa sentada no recursos humanos. 
Não sei porque ela olhou pra Ana e mais tarde enviou um questionário pra ser entregue ao final do dia.
Dentre algumas perguntas sobre a personalidade de Ana e algumas que deveriam ser respondidas pela metade, afim de garantir o emprego por no mínimo mais trinta anos, veio uma que tirou Ana de órbita:
-Descreva-me a sensação de ser amada.


Ana encostou mais confortavelmente na cadeira, respirou fundo e lembrou...




De um cheiro que inebria, de uma felicidade que faz chorar, cantar...
De uma sensação de plenitude,
De sexo com amor e beijo com vontade.
Da paz de rir das vicissirtudes, de rir de si mesma...de rir de acidente.
Da certeza do mail, do telefonema...
Da falta de angústia, da falta de insegurança...
Da falta de todo sentimento que não combine com: amor correspondido.
Das borboletas na barriga e de todos os sinos que tocam, dentro, fundo... na alma e no coração...
Da força e da vontade que vem intrínsecas ao amor...


Lembrou de todas estas coisas e respondeu:
-É a sensação igual à de poder voar.!

2 comentários:

Crica Viegas disse...

O amor é algo ao mesmo tempo familiar e indescritível.
Adorei o texto!

Paula disse...

Obrigada Crica, gosto demais de suas visitas!!
Bjo.